segunda-feira, 15 de julho de 2013

Casamento Beatriz Barata: Ostentação e polêmicas marcam a data


No último sábado (13/07/13), foi realizado o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário Jacob Barata (conhecido por ser dono de um império de frotas de ônibus e da maior parte da Rede D’or), e Francisco Feitosa Filho, o herdeiro de Chiquinho Feitosa, ex-deputado federal cearense, que, em sua terra natal, também fez fortuna comandando empresas de transportes. De acordo com o Jornal O Globo online, oficialmente não foram divulgados os valores do evento, mas a publicação informa que, segundo cerimonialistas, o casamento para cerca de 1050 convidados deve ter custado nada menos que R$2 milhões. Já a Folha de S. Paulo diz que pode ter custado R$3 mi.

Porém, apesar de toda ostentação, a data foi marcada por polêmicas que envolveram as manifestações na porta da cerimônia, na Igreja do Carmo, no Centro do Rio, e em frente ao Copacabana Palace, onde foi realizada a festa. Convidados ficaram incomodados com a plebe que estava fazendo provocações na rua e, não satisfeitos em atirarem bem casados e notas de R$20, um deles tacou um cinzeiro de vidro, que atingiu o manifestante Ruan Nascimento na cabeça.

O tumulto na porta do mais luxuoso hotel do Rio de Janeiro culminou com a atuação do Choque que, supostamente, seria para conter a reação do povo, inclusive da vítima, que teria tentado entrar no Copacabana Palace acompanhado de um advogado para tentar reconhecer o agressor.

Bom, fato é que o casamento entrou para a história como aquele que "sambou na cara da sociedade". Enquanto o povo está aí nas ruas manifestando, quase que diariamente, por menos corrupção e mais igualdade social, a família Barata mostrou não se intimidar com a minoria desafortunada.














Fotos: Balada In

Bom, além de todo esse fuzuê, o casamento de Beatriz Barata também ganhou notoriedade pelos porbres mortais pelo mal gosto na escolha do vestido, do desing do bolo (parecia uma montanha de pasta americana), e pela decoração feita no local. De acordo com relatos de Hildegard Angel, "no Golden Room, a apoteose do deslumbramento, o decorador Antonio Neves da Rocha plantou no meio do salão uma árvore frondosa, com os galhos alastrando-se por toda a área do teto, de onde pendiam fios com lampadário e buquês de flores. O chão coberto com grama. E a iluminação causava a sensação de se estar numa floresta-lounge, com estofados pretos".

E embora tenham servido champagne Veuve Clicquot e uísque Black Label e distribuido sandálias havainas vermelhas para todos os convidados, o mau gosto do casal não deu para ser disfarçado uma vez que convidaram o Latino para cantar. Nada contra o rapaz, mas quem tem milhões para gastar em uma festa poderia escolher um artista melhorzinho, né?! rs

Outro bapho é que a dona baratinha começou a planejar o casamento com dois anos de antecedência, entretanto nesta época o partido era outro.Ela era noiva de Renato Amorim, executivo de uma multinacional de recrutamento. Quando eles ainda estava in love, Beatriz reservou espaço nos principais salões do hotel, uma data na agenda concorrida da Igreja do Carmo e também na do decorador. O romance terminou, a fila andou e os planos foram mantidos. Gente rica é prática, né?! Fiquei passada! Não importa com quem seja, mas o casório tinha que ser daquela forma escolhida. 

E se vocês estão curiosos para saber o que estava na lista da dona baratinha, dá uma olhadinha aqui neste link da H.Stern Home. Os valores eram a partir de R$20, mas como era de se esperar, os noivos receberam aproximadamente R$84 mil em presentes.


2 comentários:

  1. adorei o post da dona baratinha, ja tinha lido sobre esse bafonico casamento, mas aqui esta mlr.

    ResponderExcluir
  2. poxa, nao consegui abrir a lista

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! Além de ajudar a melhorar o conteúdo do blog, seu comentário pode ser muito útil para alguém.